Alienação parental - Filhos não devem ser usados para brigar com o ex


Para grande parte das pessoas, a separação é um momento difícil. Porém, cada um constrói significados diferentes para esse momento, dependendo da história que viveu com o parceiro e das próprias experiência pessoais.


As situações mais complicadas são quando os parceiros continuam atuando dentro de suas mágoas e decepções após a separação, através de atitudes destrutivas que acabam ferindo a todos que estão em volta.


Dependendo do contexto em que aconteceu a separação, dos motivos e da intensidade dos sentimentos envolvidos, é muito comum que algumas pessoas acabem usando os filhos para se vingar, provocar e atacar o outro.


Na verdade, a tentativa é de aliviar a própria tristeza, mágoa e raiva. Mas usamos recursos errados para isso.


Sabendo do quanto os filhos são importantes para o outro, resolvem atingir o ex parceiro justamente através deles, achando que levarão alguma vantagem com isso.


Embora tenham uma grande preocupação com o bem-estar das crianças, acabam tendo atitudes que causam mais sofrimento ainda para elas. A guerra que já existia no casamento continua após a separação.


Pelo que vale à pena lutar agora?


O que os pais precisam pensar é que nessa guerra não existe vencedor, apenas feridos, afinal estão lutando pelo que?


Se é pelo amor da criança, precisam estar conscientes de que quanto mais tentarem usar a criança para atingir o outro, mais a criança perceberá e se voltará contra o pai que está fazendo isso.


Por mais decepcionada que a criança esteja com os pais, ela se sente atingida toda vez que alguém fala mau de um deles para ela, mesmo que o conteúdo seja verdadeiro. É um abuso contra a criança fazê-la escutar xingamentos e depreciações sobre eles.


Além disso, é um ataque ao psiquismo da criança falar mau do pai ou da mãe para ela. A mensagem que é transmitida é que ela deve escolher um dos lados, ou o do pai ou o da mãe. Isso gera um conflito muito grande, pois ela fica dividida e confusa, sem saber de que lado ficar. Gera também bastante desconfiança, ficando sem um porto seguro em que realmente possa confiar.



pai e filha na praia
Quanto mais positiva a relacão da criança com seu pai e sua mãe, melhor para seu desenvolvimento psíquico.


Toda criança precisa ter uma imagem de pai e de mãe internalizadas. Quanto mais positiva e verdadeira for essa imagem, melhor será para o desenvolvimento da autoconfiança e autoestima dessa criança. Essa imagem precisa ser construída a partir da sua própria percepção e não do que os adultos a induzem a pensar. É importante que as conclusões e julgamentos sobre os pais sejam feitos por ela mesma, à medida que ela vai se desenvolvendo e adquirindo uma maior capacidade de perceber e julgar a realidade.


É preciso que cada pai e cada mãe pense que o melhor caminho para resolver os sentimentos que ficaram após a separação é olhar para dentro de sí e buscar os próprios recursos para enfrentarem esses momentos.


O amor próprio, o auto-respeito e a auto-aceitação são excelentes recursos para começar a melhorar, a se sentir mais feliz e ajudar os filhos a atravessarem esse momento difícil. Que tal começar por aí?