Cérebro saudável: Atividade física melhora funções cognitivas

A ideia de que os exercícios servem apenas para emagrecer ou manter a boa forma está ultrapassada. Estudos recentes mostram que a prática de esportes favorece tanto a saúde física como desempenha papel fundamental na melhora das funções cognitivas – percepção, atenção, concentração, memória, linguagem e raciocínio.


O presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), Jomar Souza, explica que isso ocorre basicamente porque os exercícios físicos aumentam fluxo sanguíneo cerebral e, consequentemente, nutrem melhor os neurônios. “Nesse processo, os neurônios estabelecem novas conexões com células vizinhas gerando um aumento da produção de neurotransmissores, substâncias essenciais para o bom funcionamento das funções cognitivas”, afirma.


Segundo o especialista, a prática de atividade física também exercita algumas funções cognitivas espontaneamente.


E quanto mais treinadas, melhores elas ficam. Um bom exemplo é a concentração. A necessidade de canalizar a atenção durante um esporte, como em uma corrida ou em um jogo de futebol, por exemplo, estimula novas conexões entre os neurônios e faz com que, consequentemente, a capacidade de concentração aumente.


Souza ressalta que as atividades que mais contribuem para a melhora das funções cognitivas são as aeróbicas. Para tirar um sedentário de casa, ele sugere começar com a caminhada. “Caminhar pode ser um começo natural que abre portas para outras atividades físicas. Recomendo a prática de 30 a 60 minutos por dia, de 3 a 5 vezes por semana”, diz.


Para a psicóloga Miriam Barros, o melhor exercício é aquele que a pessoa gosta de fazer. “Sugiro que os praticantes não desistam de procurar o exercício que proporciona prazer. Pode ser corrida, dança, caminhada, tênis, natação, entre outros. O importante é colocar o corpo em movimento e contar com a orientação de um profissional para não se prejudicar.”


A prática de esportes também é indispensável para as crianças. Isso porque a formação de novas conexões entre as células cerebrais estimuladas pela atividade física é ainda mais relevante na infância, fase em que o cérebro está em desenvolvimento.


Neste contexto, a psicóloga alerta para o atual cenário no qual as crianças vivem fechadas em apartamentos, sem contato com grades espaços para brincar e fazer exercícios. “As famílias precisam ajudar seus filhos a buscarem opções para praticarem mais atividade física. Passeios ao ar livre e atividades esportivas coletivas podem levar as crianças a se concentrarem e melhorarem o desempenho escolar”, afirma.


Sejam crianças ou adultos, todos podem ganhar mais qualidade de vida simplesmente mexendo o corpo. “Está comprovado que pessoas que fazem exercícios físicos regularmente melhoram as habilidades mentais, o humor e, consequentemente, a produtividade no dia a dia”, conclui o presidente da SBMEE.