O que fazer quando a autoestima e a personalidade do casal não batem?

É verdade: os opostos se atraem. Mas isso ocorre na física, e não necessariamente nos relacionamentos amorosos. "Ao contrário do que se diz no senso comum, são as semelhanças, e não as diferenças, que facilitam a vida de um casal”, afirma a psicóloga e terapeuta sexual Isabel Delgado. Assim, quando aspectos fundamentais da personalidade de cada um são contraditórios, as relações enfrentam vários problemas que vão da impaciência à tentativa de ser o terapeuta do parceiro, o que pode acabar com a relação. “Outro aspecto perigoso é a tentativa de impor seu jeito de ser”, diz Isabel.


Por outro lado, quando um reconhece no outro uma melhor capacidade de lidar com uma situação, é preciso tomar cuidado para que não se desenvolva uma relação de dependência da opinião (ou da vida) do parceiro. A melhor união é aquela que conta com colaboração e ajuda mútuas. “Embora a tendência de muitas pessoas seja a de se envolver com quem tenha características complementares às suas, num relacionamento a dois é importante que cada um possa aprender e se desenvolver com o outro naquilo que ele traz de diferente para a relação”, afirma a psicóloga Miriam Barros, especialista em terapia familiar e psicodrama.


O UOL Comportamento consultou especialistas que comentaram seis situações típicas de diferenças estruturais de personalidade. “São questões em que a compreensão e a ajuda mútua serão imensamente importantes para ajudar e validar o processo de harmonização das diferenças”, diz Alexandre Bez, psicólogo especializado em relacionamentos pela Universidade de Miami (EUA).


Um é otimista, o outro é pessimista


Pessoas com pensamentos pessimistas se envolvem com pessoas otimistas na tentativa de restabelecer o brilho da vida e a esperança. “Os extremos dificilmente são bons, então o otimista precisa olhar os fatos com um pouco mais de realidade, sem negar as partes difíceis, e o pessimista precisa aprender com o otimista a pensar com mais esperança e perceber que as coisas podem dar certo”, afirma a psicóloga Miriam Barros.


Na opinião da psicóloga cognitivo-comportamental Mara Lúcia Madureira, essa relação tende ao fracasso. “Se o indivíduo com crenças e comportamentos pessimistas não conseguir inverter seus padrões de pensamentos, depois de alguns anos a situação se torna insustentável. O sujeito otimista, além de não conseguir motivar positivamente seu par, acaba minando as próprias energias e desperdiçando suas oportunidades de felicidade”, diz ela. “Os planos e as ideias que o casal tem podem até se complementar e fazer parte de um mesmo objetivo, mas em função do pessimismo e do otimismo, não conseguirão chegar à uma conclusão em comum”, afirma o psicólogo Alexandre Bez.


Solução: para enfrentar a situação é fundamental que a parte mais saudável reconheça o negativismo como sintoma de algum transtorno do humor ou uma maneira inadequada de perceber a realidade, e busque ajuda para descobrir que a vida com mais entusiasmo é mais leve e melhor de se viver. “O melhor é substituir lamentações ou críticas por coragem e incentivos para ajustar a percepção a níveis realistas”, diz Mara Lúcia. “E é bom ajudar o pessimista a resolver suas dificuldades entendendo que esse temperamento pode significar medo das situações ou uma discreta timidez, entre outras coisas”, diz Alexandre Bez. Faça os testes e descubra se é do tipo que reclama demais ou se faz tempestade em copo d'água.


Um é inseguro no amor, o outro confia no próprio taco


Pessoas inseguras costumam buscar pares autoconfiantes para, de modo inconsciente, reforçar suas crenças de incapacidade. “É comum que a autoconfiança e os comportamentos adequados do par não sirvam de modelo ou inspirem mudanças no outro. Pior que isso, tendem a intensificar a relação de dependência da parte insegura”, diz a psicóloga cognitivo-comportamental Mara Lúcia Madureira. Segundo o psicólogo Alexandre Bez, essas duas características do casal estão ligadas diretamente ao tipo de criação que receberam e de como seu desenvolvimento psicológico ocorreu. No caso da pessoa insegura, eventuais traumas ou ambientes instáveis podem ter contribuído para que ela ficasse assim.


Solução: o ideal é tentar descobrir de onde vem a insegurança para que, juntos, possam contribuir com as dificuldades do parceiro. É preciso conversar, apoiar, mostrar atenção e compreensão para devolver a segurança ao que sofre com a falta dela. “A pessoa que é mais autoconfiante pode ajudar a outra sendo consistente nas suas atitudes, cumprindo o que promete, estando presente e oferecendo uma relação de segurança”, afirma a terapeuta Miriam Barros.


Um apela para a vitimização, o outro toma as rédeas da situação


Quem gosta de se fazer de vítima apela para o lado emocional. Essa reação está ligada à carência ou a uma frustração amorosa, e o caminho que encontra para lidar com isso é chamando a atenção. Quem tomas as rédeas da situação costuma ser mais seguro de si e pode até dar um equilíbrio para a relação. Segundo a psicoterapeuta Miriam Barros, quando há um parceiro que toma a frente e resolve as coisas, aquele que se vitimiza acaba se acomodando e incorporando cada vez mais o papel de coitadinho.


Solução: é importante saber os motivos que levaram a pessoa a fazer chantagens emocionais e tentar entendê-los para realizar mudanças. Além disso, aquele que toma as rédeas precisa se segurar um pouco e ajudar o outro a tomar decisões e deixá-lo resolver os problemas. Para isso, nada melhor do que boas doses de paciência para deixar o outro fazer as coisas do jeito dele – e apoiá-lo nisso.


Um se acha o centro do universo, o outro tem autoestima saudável


Relações entre pessoas egocêntricas e aquelas bem ajustadas emocional e socialmente só são duradouras quando as do segundo grupo são tão apaixonadas e compreensivas a ponto de não se afetar com o egocentrismo de seu par. “Um indivíduo que necessita permanecer no centro das relações precisa de pares que ocupem papéis secundários”, diz a psicóloga Mara Lúcia Madureira. É um romance difícil de dar certo. “Quem se sente o centro do universo estará se relacionando o tempo todo consigo mesmo, pois não enxerga o outro. Manter um relacionamento nessas bases significa viver se anulando ou brigando para poder existir. A pessoa que tende ao narcisismo gosta mais de si, e não do próximo”, diz a terapeuta Miriam Barros.


Solução: o mais recomendado para esses casos é uma terapia psicoterápica intensa, na tentativa de mudar a personalidade do narcisista, caso ela seja maleável. No entanto, esforçar-se em compreender a pessoa com autoestima prejudicada também é muito importante, ainda que haja sofrimento. Para Miriam Barros, a pessoa que se sente o centro do universo normalmente se dá conta de que precisa amadurecer ou buscar ajuda profissional depois que perde relações importantes na vida.