Seu filho adulto ainda não amadureceu?

Papo Feminino – UOL

Texto: Lívia Neves



Veja como lidar com a situação - a psicóloga Miriam Barros fala sobre atitudes exageradas e comportamento materno.


É comum que os filhos, mesmo quando adultos, se aproveitem da boa vontade dos pais, prolongando as mordomias da adolescência até a vida adulta. Mas se engana quem acredita que os filhos são os culpados pela atitude. A psicóloga Miriam Barros atribui a responsabilidade aos genitores que, em sua maioria, não impõem limites e estão sempre dispostos a abrir mão de várias coisas.


As mães corujas são as que mais sofrem com a maturidade tardia dos filhos, pois elas acabam cedendo aos pedidos e exigências feitas.


“É importante colocar limites e dizer ‘não’, especialmente, quando estão mais adultos”, adverte Miriam Barros. Ajudá-los a crescer é a maior ajuda que as mães podem dar a eles. Confira as situações mais recorrentes destes relacionamentos:


- “Meu filho divide o cartão de crédito comigo e sempre estoura o limite”

- “Ele mora fora, mas vem comer na minha casa todos os dias. E ainda faz marmita”

- “Dividimos o carro, mas ele não me respeita. Fala que já volta e some”

- “Meus netos vivem em casa. Meu filho deixa-os aqui bem cedo e só busca a noite”


A psicóloga afirma que para lidar com essas situações e acabar com os abusos é preciso ser firme e cumprir com o que fala. Quando as coisas ultrapassam os limites, o melhor a se fazer é sentar e conversar, deixando bem claro que a situação está prejudicando ambas as partes e estabelecer limitações às atitude abusivas.


A independência não é algo ensinado pelos pais. Os filhos aprendem sozinhos com as dificuldades da vida. Segundo Miriam Barros, com uma atitude passiva, as mães encorajam os filhos a continuarem com os exageros. O importante é dar o suporte e o apoio necessário para que eles entendam o mundo e consigam se virar.


“Algumas mães acham que, se disserem ‘não’, os filhos vão deixar de amá-las”, conta Miriam. Mas não é isso o que acontece. Segundo a psicóloga, elas precisam se libertar da culpa para não deixar se envolver com chantagens emocionais, como acontece em muitos casos. Os filhos precisam amadurecer por si só e aprender a enfrentar problemas sozinhos.